Quem era a Jovem de 22 anos encontrada morta com o ex-marido… ver mais

O corpo de uma mulher foi descoberto sem vida na residência de seu ex-marido em Apiaí, interior de São Paulo. Adriele Lopes Conceição, de 22 anos, e Claudemir Marques da Rocha, de 48, eram anteriormente casados, porém estavam separados.

O corpo de uma mulher foi descoberto sem vida na residência de seu ex-marido em Apiaí, interior de São Paulo. Adriele Lopes Conceição, de 22 anos, e Claudemir Marques da Rocha, de 48, eram anteriormente casados, porém estavam separados.

Segundo informações da Polícia Militar, a irmã de Adriele ligou para uma equipe policial por volta das 20h40 de segunda-feira (6), solicitando assistência para ir até a residência, situada na Rua Cinco, no bairro Santa Terezinha, em Apiaí. A mulher informou ter avistado os corpos através de uma janela da casa, dispostos em uma cama.

A irmã relatou à Polícia Militar que a jovem mantinha um bom relacionamento com seu ex-marido. Claudemir havia se mudado para aquela casa na última sexta-feira (3). Conforme apurado pelo G1, ele teria convidado a ex-esposa para conhecer o imóvel no sábado (4). Desde então, ela estava desaparecida.

Quando os policiais militares entraram na residência, encontraram o ex-casal com rigidez cadavérica. Ambos apresentavam sangramentos no nariz e, inicialmente, não foram identificados ferimentos por objetos cortantes ou arma de fogo.

A Guarda Civil Municipal (GCM) auxiliou na preservação do local. Até o momento, não foi possível determinar a causa da morte, que será revelada após os exames necroscópicos.

De acordo com informações da Polícia Militar, Adriele deixou três filhas pequenas, sendo a mais nova fruto do relacionamento com Claudemir. A ocorrência foi registrada na Delegacia de Apiaí como morte suspeita

Veja também:

Empresário envolvido em esquema de agiotagem do PCC é preso a caminho do RS para ajudar vítimas da enchente

O empresário Sedemir Fagundes, conhecido como Alemão, foi detido durante uma operação conduzida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) nesta terça-feira (7) em Navegantes, Santa Catarina, enquanto se dirigia ao Rio Grande do Sul. Ele é suspeito de envolvimento em um esquema de agiotagem associado ao Primeiro Comando da Capital (PCC), o qual movimentou cerca de R$ 200 milhões somente no ano passado.

A ação, denominada Operação Khalifa, foi conduzida pelo Gaeco em conjunto com a Polícia Militar, resultando na prisão de nove pessoas em municípios da Grande São Paulo e em Santa Catarina, enquanto duas permanecem foragidas.

Nas suas redes sociais, o investigado, que é empresário do funkeiro MC Paiva, compartilhou que estava a caminho do estado gaúcho para auxiliar as vítimas das enchentes, que já deixaram 90 mortos, levando consigo duas motos aquáticas e mantimentos. O G1 está tentando entrar em contato com o advogado de Sedemir.

Além disso, Alemão também exibia um estilo de vida luxuoso em suas redes sociais, exibindo fotos e vídeos de carros, motos e viagens internacionais.

De acordo com as investigações do Ministério Público, os criminosos atuavam na capital paulista e na região do Alto Tietê desde 2020. Somente no ano de 2023, eles movimentaram mais de R$ 20 milhões com o esquema. A rede de agiotagem emprestava dinheiro com taxas de juros que chegavam a até 300% ao mês.

Além da imposição de juros abusivos e taxas por atrasos nos pagamentos, os criminosos também praticavam extorsão e ameaças contra os devedores.

Segundo as investigações do Gaeco, os empréstimos eram destinados tanto a pessoas físicas quanto a jurídicas que necessitavam de capital de giro para investir em negócios de médio porte.

Os integrantes do grupo ostentavam um estilo de vida luxuoso e residiam em apartamentos de alto padrão. Na capital, eles costumavam focar suas atividades na região do Brás.

Artigos relacionados